gringsalimentos
 
‹ voltar

Sustentabilidade Corporativa

07/02/2015

Por Alexandre Poletto

Falar em sustentabilidade no universo dos negócios ainda parece um tabu. Primeiro, os empresários acreditam que investir na preservação do meio ambiente é preciso um alto investimento. Segundo, que atitudes ecológicas, como separar o lixo reciclável, basta.  

 

Para entender o conceito da empresa sustentável, o Portal Você Bem conversou com alguns especialistas sobre o tema e traz algunas casos de marcas e produtos que caminham no sentido real da sustentabilidade dentro de uma corporação.

 

Julianna Antunes, especialista em planejamento estratégico para a sustentabilidade e criadora da sustentAPP, explica o maior desafio da relação empresarial com a sustentabilidade. "É dar o passo seguinte. É tirar a sustentabilidade de uma área que existe na empresa - porque todo mundo tem -, deixar de fazer projetinho social e ambiental e realmente levá-la para o planejamento estratégico e inseri-la na rotina dos processos de negócio e de produção. Pode parecer óbvio falar isso, mas o Brasil e as empresas brasileiras estão muito atrasadas em relação à sustentabilidade. O que a maioria faz é muito básico e não passa de obrigação legal e reputação."

Sustentabilidade corporativa envolve disposição de empresários e colaboradores e vai além de projetos sociais em prol da natureza

Conceito deve ser incorporado na estrutura da empresa e não ser um setor dela

Por Alexandre Poletto

03/02/15 - 13h31

Compartilhar

A mesma visão tem o especialista André Luiz Dametto, da ALD Consultoria, que reforça que "essa grande lacuna que existe hoje na sustentabilidade corporativa é a distância entre o discurso e a prática nas organizações. Até hoje é possível encontrar casos de grandes organizações que incorporaram o "linguajar verde" na comunicação do negócio, mas que não traduziram o mesmo no projeto dos seus produtos e processos. Enquanto a sustentabilidade não fizer parte da estratégia do negócio, e for um valor de todos os colaboradores na empresa, muitos negócios ainda estarão fazendo apenas marketing verde ou social, e não uma gestão sustentável."

 

Sabendo então do real conceito, é preciso planejar verdadeiramente os passos da empresa e praticá-los, o que vier para agregar será consequência. Para Jaercio Barbosa, mestre em administração de empresas, os empresários que acreditam e cuidam do meio ambiente encontram nos consumidores um respaldo maior. Ou seja, esses consumidores se identificam com os príncípios de empresa. "Um exemplo interessante é o banco Itaú, que conquistou no ano de 2014 o prêmio de responsabilidade social da revista Exame. Isso porque, entre as ações realizadas pela instituição, está essa preocupação com um todo, com a população e a natureza. E, por consequência, foi este mesmo banco que mais lucrou no País no mesmo ano".

 

O cenário brasileiro

 

A política brasileira de incentivo aos empresários que querem unir negócio e sustentabilidade é pequena. Julianna lembra que "o governo dá uma série de benefícios a empresas que não são sustentáveis ou cujo negócio impacta negativamente a sustentabilidade. É só ver a quantidade de benefícios que a indústria automobilística ganhou nos últimos 12 anos. Isso sem falar no setor de petróleo e gás."

 

Essa realidade pode mudar e o governo pode desempenhar um papel importante nessa transformação. Segundo Julianna, regulamentações mais fortes, incentivo à indústria da reciclagem, incentivo ao consumo de produtos energeticamente eficientes e à compra de bicicletas estão entre as atidudes que as autoridades podem adotar.

 

Mas não para por aí.  O empresário necessita ampliar sua visão e deixar de se preocupar com o meio ambiente quando for obrigado ou se houver retorno financeiro. "Não está errada a sustentabilidade sem o viés do dinheiro. A questão é que o retorno muitas vezes não é direto e nem em curto prazo. A visão do empresário brasileiro é muito míope em relação a sustentabilidade", alerta. 

 

 

Os fatos ruins servem para uma transformação boa!

 

Apesar de engatinharmos nas ações de sustentabilidade, podemos dizer que aos poucos estamos evoluindo e que as pessoas, incluindo empresários, passam a refletir mais sobre o assunto.  E se você pretende incorporar este tema na sua empresa, comece pensando sobre o conselho do André Luiz. "Primeiramente, creio que a organização deva entender e sentir o que é sustentabilidade, não apenas como um conceito lógico e tecnicista, mas como um valor. Isso é uma verdadeira mudança de paradigma, de um modelo de autonomia e independência para uma visão de interdependência, em que todos somos um. Pode parecer poético, mas quem não fizer essa transição não estará pensando e sentindo sustentabilidade. Uma vez iniciada essa mudança, recomendo fortemente um diagnóstico integrado da estratégia, processos, estrutura, competências  e incentivos da organização. De nada adianta uma estratégia que se diz "verde", quando os executivos são premiados por metas extremamente competitivas e danosas ao meio ambiente e sociedade. Feito esse diagnóstico, deve ser implementado um programa de sustentabilidade na empresa. Mais que uma mudança de cultura, implementar a sustentabilidade em um negócio é gerar uma cultura de mudança, com um portfolio de projetos, incluindo a conscientização, a mudança de estratégias e processos, e finalmente a recompensa e celebração das novas práticas."

 

Separamos agora alguns casos de empresas e produtos que caminham na direção correta da sustentabilidade e até ajudam os empresários e consumidores nesta tarefa de preservação do meio ambiente. E você que está aí do outro lado da tela pode ajudar. Leve esta ideia para sua empresa ou local de trabalho. Compartilhe coisas boas para uma transformação positiva da realidade.

http://www.vocebem.com.br/#!sustentabilidade-corporativa/c8e4